PENÉLOPE, A LOUCA

PENÉLOPE

PENÉLOPE, A LOUCA

 

Penélope ouve Brahms e lê Balzac

enquanto come flãs e bebe brandy

em generosas doses (com Prozac). . .

-garante que, de nada se arrepende-

 

 

De vez em quando, tem um piripaque

mas, logo se refaz . . .  nunca se rende

Diz que, se morrer de um cardíaco ataque

volta do além-túmulo e, me surpreende!

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição Compartilha Igual 4.0 Internacional -.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

O PIOR CEGO

PIOR CEGOO PIOR CEGO

 

Bem sei que o Amor é cego

e que segue a me segar

com sua foice . . . mas, nego

Vejo e não quero enxergar

 

 

que o pior cego sou eu. . .

O Amor, ao menos, maneja

bem sua foice . . .  Eu, no breu

sou o que sangra . . .  e rasteja.

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição Compartilha Igual 4.0 Internacional -.

 

 

 

 

 

 

 

 

A PALAVRA-CHAVE

chave 1

A PALAVRA-CHAVE

 

a palavra-chave

é a que comove

aquele que a escreve

e o que a absorve

 

 

Ao gravar-se grave

na alma que envolve. . .

das nuvens da verve

a palavra chove.

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição Compartilha Igual 4.0 Internacional -.

O ‘COOL’ DO MUNDO

buraco1O ‘COOL’ DO MUNDO

 

Viram o negro buraco?

Ele, no fundo, no fundo

é só um mínimo naco

do TODO que compõe

o cool do mundo.

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição Compartilha Igual 4.0 Internacional -.

 

MENINO LEVADO A SERIO

levado

MENINO LEVADO A SÉRIO

 

Oh não! Eu nunca, nunca vou tomar vergonha!

Acho melhor tomar chuva

tomar sol, tomar um drinque. . .

 

 

Nasci poeta e danado! Menino levado (a sério)!

Desmistifico o Mistério!

Nada impedirá que eu brinque!

 

 

Esqueçam! Nunca vou tomar juízo

Jamais vou tomar cuidado

com os calos em que piso

 

 

Não levo vantagem, não dou prejuízo

só sigo viagem. . .

rumo ao Paraíso

 

 

E, ando desavisado

desarmado, distraído

sem pressa, desprevenido

e, nem sempre acompanhado

 

 

Mas, dou conta do recado. . .

mantenho a alma risonha

e prossigo descuidado

sem juízo e sem vergonha. . .

 

 

Não me imponho a quem se oponha

ao meu bendito ditado:

-Combata a vida enfadonha

e sonhe, mesmo acordado

 

 

pois, neste mundo cansado

de tanta guerra medonha. . .

só realiza, quem sonha’

E, eu . . . já estou realizado!

 

PAULO MIRANDA BARRETO

IMAGEM: FRANKIES shutterstock

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição Compartilha Igual 4.0 Internacional -.

PERDEDOR?

 

perdedorPERDEDOR?

 

Confesso, Juca: minha cuca é amalucada

Meu coração . . . também não bate bem

Se um dia eu vendesse minh’alma penada

pro Demo . . .  ele não dava-me um vintém!

 

 

A minha história, desde sempre, mal contada

nunca foi conto de fadas, padeço desde neném. . .

Ela é como um filme B, comédia nada engraçada

sem final feliz nem nada. . . Só versejar me convém

 

 

E, a versejar é que atravesso as madrugadas

estreladas ou nubladas, solitário e  sem amor

Qual trovador que exibe em rimas alinhadas

suas ilusões aladas . . . e o seu doce dissabor

 

 

Quando amanhece, beijo as rosas orvalhadas

e acarinho seus espinhos, com desmesurado ardor. . .

No fundo, Juca . . . minhas horas malfadadas

são, por Deus, abençoadas.  Não sou nada perdedor.

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição Compartilha Igual 4.0 Internacional -.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AÇÃO!

Act Now Red Key on Computer Keyboard Urgent Action

AÇÃO!

 

Quando fumo, quando bebo

quando cheiro à solidão

é que assumo e me percebo

prisioneiro da ilusão

 

 

E degusto o gosto acerbo

do desgosto e da aflição

por ser tão bobo e soberbo

por crer que tenho razão

 

 

ao não mais rasgar o verbo

e ao calar meu coração. . .

 

 

Agora, a poesia, eu exacerbo

Daqui pra frente, fumo, bebo e cheiro . . . à ação!

 

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição Compartilha Igual 4.0 Internacional -.

 

 

 

 

 

 

SÓ LHE VAIO

VAIA

SÓ LHE VAIO

 

Nasci cobra malcriada. Não sou pato!

Em ciladas e arapucas eu não caio!

Pestaneje que eu atiro o pau no rato!

Não! Não sou só mais um gato no balaio!

 

 

Saio-me bem . . . e, sem ensaio, sobressaio!

Nenhum otário é páreo para o aparato

de que disponho. Sou mais rápido que um raio!

Oh não! Não entre sem cachorro no meu mato!

 

 

Jamais caí do meu cavalo xucro e baio!

Se bato, apanho, perco ou ganho, eu não me abato!

Nenhum Senhor faz-me vassalo nem lacaio. . .

Só sirvo a Deus (que não me trai e que me é grato)

 

 

Sei muito bem o que é boato e o que é fato

Cometo enganos, mas, em erros não recaio

Sou pimenta nos seus olhos e pedra no seu sapato

Todos lhe aplaudem por temê-lo . . . Eu só lhe vaio.

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição Compartilha Igual 4.0 Internacional -.