DOIS E DOIS

 

473DOIS E DOIS

 

Foi assim que o amor morreu

Foi assim que o sol se pôs

e que o dia anoiteceu

dentro e fora de nós dois. . .

 

 

Quando a lembrança esqueceu

e o frisson se decompôs

o encanto em nós se perdeu

Juntos . . .  estávamos sós

 

 

Sem tato, visão ou voz

deixei de sentir-me seu. . .

Ai! Desfizeram-se os nós

que um dia em nós o amor deu

 

 

E agora, amor, quem sou eu?

Sou um só . . . partido em dois

entre o antes e o depois

de um sonho que aconteceu. . .

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s