OUTRO PESSOA??

OUTRO 3OUTRO PESSOA??

 

não se avexe não, maninha

sou um poetinha à toa . . .

rei sem reino, sem coroa

sem trono, cetro . . . ou rainha

 

 

minha fama . . .  é miudinha

não serei outro Pessoa. . .

pensa que chego a Lisboa???

nunca fui nem à Varginha!!!

 

 

não tenho milho pra broa  

e nem pirão pra farinha . . .

sou um poetinha à toa . . .

não se aperreie, maninha

 

 

que o bom Deus não me abençoa

e o Demo não me apadrinha . . .

cobra criada . ..   não voa

e aquelas asas que eu tinha

 

 

vendi . . . à uma andorinha

numa manhã de garoa. . .

 

por mais que a verdade doa

a minha . . . é de mentirinha.

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

REACENDA! REASCENDA!

 

5REACENDA! REASCENDA!

 

Meu amor. . .  saia do sério!

Sobressaia por aí !

Vá com Deus pelo hemisfério

norte ou sul . . .  Saia de si!

 

 

Vá ser feliz . . .  sem mistério

sem chilique, sem pití . . .

Reverta esse revertério!

Faça dele um frenesi!

 

 

‘‘Vá andar que o mundo é grande’’!

Vá viver que a vida é boa!

Saia da linha! Desande!

Vá chorar de rir á toa !

 

 

Vá já, my baby! Se mande !

Se avie, que o tempo voa!

Salte de banda! Debande!

Dê-se ao desbunde, pessoa !

 

 

‘’Quem fica parado é poste’’

Dispare . . . Vá se encantar

com algo novo. . .  Se goste!

Vá curtir! Vá viajar!

 

 

Vá dar uma volta ao mundo!

Vá descobrir o Brasil!

Vá longe, meu bem, vá fundo!

Vá ver o que nunca viu!

 

 

Não vá morrer de saudade

de quem há muito partiu. . .

Parta também . . . Nunca é tarde!

Vamos! Deixe de fastio!

 

 

Vá que vá, meu bem! Se anime!

Não desista de existir. . .

Vá buscar alguém que rime

com o melhor . . . que está por vir!

 

 

Vá, desamarre esse bode!

Bora! Sacode a poeira!

Basta querer! Você pode!

É isso, querida. . .  Queira!

 

 

Chute o pau dessa barraca!

Meta a mão nessa cumbuca!

Enfie esse pé na jaca!

Vá! Se jogue na muvuca!

 

 

A vida é pra ser vivida . . .

e amor foi feito pra dar!

Basta de estar deprimida!

Despreze esse seu pesar!

 

 

Vá além! Passe do ponto

e do limite . . .  Desponte!

Vá se encontrar em Toronto

em Báli em Belo Horizonte!

 

 

Perca o juízo . . . e a vergonha. . .

Drible o medo de viver!

Só realiza quem sonha!

Aposte! Pague pra ver!

 

 

Reveja o que está perdendo

e quanto tem a ganhar. . .

Vá . . . que o sol já está nascendo

Renasça amor . . . Vá brilhar!

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

POEMA DA VOLTA

162POEMA DA VOLTA

 

abra os braços, o sorriso, os botões, o fecho-ecler

e os portões do paraíso . . .

que estou voltando, mulher

 

 

abra um vinho,abra as janelas,as portas do coração 

e enxugue seus olhos, bela

pra rever-me . . .  salvo e são

 

 

abra o quarto! abracadabra! reabra o corpo fechado

anjo bom que me endiabra!

minha benção . . .  meu pecado . . .

 

 

abrace a  minha saudade . . .  meu desejo afoito, aflito. . .

e abra-se em flor à vontade

do meu amor infinito!

 

PAULO MIRANDA BARRETO

 

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

 

 

 

 

 

 

CANÇÃO PARA NÃO CANTAR de RADYR GONÇALVES

 

mestreCANÇÃO PARA NÃO CANTAR

 

Exalo um silêncio acre

Noturno, cauteloso

Fujo da lua – lobo

Fujo do dia – medo

Há um abismo entre o meu olhar

E o meu verso

 

Há um descontentamento perene em mim

Vivo numa gaiola

Ao som de uma gaita

Eu choro um choro que dilacera o aço das minhas forças

 

Há um lúgubre pavilhão no final do corredor do meu peito

A praça central está abandonada

Não há esperança na calçada

Há uma calcificação dorida nas linhas da minha vida

Uma secura de vontades

Nunca choveu no sertão da minha alma

 

Há um desnível descomunal nas páginas da minha prosa

Meu verbo queima

Minha morte é glosa no canto de um curió

Que canta só

Para tentar quebrar meu silêncio

Mas meu silêncio é imenso

Ensurdecedor

 

Minha dor é tamanha

Que o horizonte se apequena

Diante da cena

 

(Eu caminhando para o abismo!).

 

RADYR GONÇALVES

INCOMUNISMO

coreiasINCOMUNISMO

 

nunca subestime o poder das ideias

e a força visceral

dos ideais

 

pois, o que é capaz de separar Coreias

também pode igualar

os desiguais.

 

PAULO MIRANDA BARRETO

 

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

M S T

mst

M S T

 

Após a Terceira Guerra

seremos

todos

sem-Terra. .  .

 

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

 

 

REVOLUÇÃO

DIREITA3REVOLUÇÃO

 

direita ! esquerda!

direita ! esquerda!

direita ! esquerda!

direita ! esquer. . .

 

 

cansei dessa merda

cansei dessa merda

darei meia volta. . .

revolta!       volver!

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

 

 

OUTRO ECLIPSE

ECLIPSE1OUTRO ECLIPSE

 

não é curioso que um simples eclipse

deixe tantos homens pelo mundo em pânico?

preocupam-se mais com o Apocalipse

do que com a expansão do Estado Islâmico?

 

 

parece-me trágico . . . mas, no fundo, é cômico

a Terra está prestes a sair dos eixos . . .

vivemos à beira de um conflito atômico

e ainda tememos . . .  bíblicos desfechos.

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

DOIS A UM

na mão

DOIS A UM

 

vale menos um coração na mão

que dois

amando.

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Menos é demais- 2014

 

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional -.

 

 

 

A QUESTÃO

POLÍTICA

A QUESTÃO

 

Política

               mente.

                              Correto?

 

PAULO MIRANDA BARRETO

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição CompartilhaIgual 4.0 Internacional